a conversa do verão

este post estava guardado há muito tempo. sei que é um post chato. mas, pá, não é como se a minha audiência fosse cair a pique — há um benefício em não ter audiência!
hoje venho pregar-vos uma seca. o que fazem com esta informação é convosco. mas pelo menos leiam até ao fim.

aquilo que eu sabia no tempo da bola azul (idos dos anos noventa)

eu sou morena, fico bronzeada com facilidade, queimo-me raramente.
(lembram-se destes gráficos nas revistas?)
a revista dizia que devo usar protector solar quando vou à praia ou estou muitas horas na rua, só nas horas em que o sol está mais forte, e preciso de, p’aí, um factor 20. se tiver férias prolongadas ao sol, à medida que vou ficando mais escura, posso ir baixando o SPF — e até posso acabar os últimos dias ao pôr do sol com aqueles bronzeadores factor 6 com óleo de cenoura.

hey, não é mau, certo? — havia pessoal a barrar-se com bronzeador 4 logo no primeiro dia. havia os fãs do creme Nívea para tudo. e os do óleo de coco com tintura de iodo. sim, isto era uma cena, jovens.

na altura, sabíamos muito pouco — fazer solário até era chique.

é com o coração pálido que assisto ao nosso país a torrar ao sol sem querer saber. num país em que as horas de luz são muitas, as chatices aumentam.
estranhamente, as consciências ainda pouco se actualizaram.

vá ver

há os raios UVA e UVB.
UVB são os que queimam no imediato (o raio-escaldão, a marca do turista. B de “Bolas, isso vai doer logo à noite”).
UVA são os que causam danos a longo prazo. os danos a longo prazo são, na melhor das hipóteses, envelhecimento precoce, rugas, perda de elasticidade da pele e hiper pigmentação — basicamente começamos a ser umas manchas engelhadas antes do tempo. se houver acne ou outro tipo de feridas na pele, as cicatrizes ficam.
mas, um em 5?… cancro de pele. duplica se se teve mais de 5 escaldões na vida.
em suma, o melanoma é mais provável do que ganhar a factura da sorte…

os danos causados pelos raios Ultra-Violeta são isso mesmo. causados pelos raios. não é pelo sol directo. não é só no Verão. começam mal haja qualquer tipo de luz. mesmo indirecta. mesmo de manhãzinha. mesmo quando está nublado. mesmo dentro de casa.

ficar bronzeado com facilidade não é carta branca para estar ao sol, usar protector solar com factor baixo, ou só pôr protector quando apetece — os danos imediatos não serão tão visíveis (e no entretanto fica-se muito sexy, porque a sociedade decidiu que estar bronzeado é sexy), mas estão lá e hão-de aparecer. mesmo para peles muito escuras.

entre as 11 e as 17 horas não é a altura para se pôr protector solar ou se ficar a dormir debaixo do pára-sol. é a altura do dia em que não se deveria estar exposto à luz, ponto. devia ser para vestir a roupa que tape o corpo todo (pareos sexy transparentes não contam) e ala para entre paredes.
mas então…?! sim, estar ao sol devia ser só nas horas seguras e sempre com protecção.

a maioria dos protectores solares degrada-se com a exposição ao sol (e muito mais rapidamente com água, suor ou se esfregarmos a pele). quando estamos no exterior, reaplicar de duas em duas horas é o mínimo, e pessoas mais claras devem fazê-lo ainda mais frequentemente.

a dose certa de SPF para a cara (só a cara, com orelhas, sem pescoço), é mais ou menos creme suficiente cobrir a falange maior do vosso dedo do meio (meia colher de chá ou 2 mg por cm2). para o corpo, são duas colheres de sopa. por aplicação.
agora pensem: quanto tempo vos dura um frasco de SPF? pois…

usar um creme hidratante com SPF 20 e uma base com SPF 15 não dá SPF 35. o SPF não são pontos em cartão. não é acumulável. o mais forte é o que vale.

posto isto, o que fazer à vida?

conhecer o senhor protector solar

. deve proteger contra os raios UVA e UVB (“largo espectro”, ou, nos países asiáticos, “SPF e PA”);
. os protectores com filtros químicos (nome estúpido, tudo é química) são os mais comumente usados, e absorvem os raios, como um filtro. com ingredientes como oxibenzona, avobenzona, octisalato, octocrileno, homosalato and octinoxato conseguem-se fórmulas mais refinadas e fáceis de usar por menos dinheiro. se pensarem nas marcas grandes tipo Nívea, Ambre Solaire… a maioria destes usa maioritariamente protecção química;
. os protectores com filtros minerais ou físicos são foto-estáveis (não se degradam com tanta facilidade) e reflectem os raios UV. compostos por Óxido de Zinco e Dióxido de Titânio (curiosidade: estes ingredientes também são usados como pigmento em algumas bases), são os preferidos por quem tem pele sensível e são menos passíveis de causar reacções. mas muitos, se não tiverem alguma cor, deixam aquele resíduo esbranquiçado e, em algumas fórmulas, são densos e gordurosos.

uma forma rápida de distinguir entre os dois é ver as instruções: a protecção é imediata ou deve aplicar-se 20 minutos antes da exposição solar? se for imediata, geralmente indica que é um filtro mineral.

estudos contra ou a favor cada tipo de filtro abundam: são as nano-partículas de alguns protectores minerais que, se penetram a circulação sanguínea, não se sabe que consequências têm; são os químicos esquisitos dos protectores químicos que fazem cancro. uns matam peixes, outros corais… os cientistas também não se entendem.

perceber o factor de protecção

para o UVB, as opiniões dividem-se, mas a maioria assenta no 30 ou mais para o Verão (não estou a falar da praia, na praia é 50 para toda a gente), 20 no Inverno (se se tiver pele muito clara, é manter a protecção mais alta sempre).
se o FPS (ou SPF) for 20 e aplicado na quantidade certa, aumenta em 20 vezes a protecção da queimadura (mas como se degrada, não é assim tão simples. quem dera).

para o UVA há demasiadas classificações. umas marcas dizem só que tem filtro UVA. outras (na sua maioria asiáticas) têm um sistema de estrelas ou +. quantos mais + tiver, melhor.

tornar o protector o vosso companheiro diário.

na vida de todos os dias, homens, mulheres, empregados de escritório ou camionistas. se vão estar expostos a luz, mesmo só naquele pedaço de casa para o trabalho, ou à hora de almoço, ou nos tremoços ao fim do dia, na cidade ou no campo, é proteger a pele exposta.

de manhã, deve ser a última coisa, depois da rotina normal.
(para quem usa, imediatamente antes da maquilhagem. para facilitar a maquilhagem e evitar que fique pesado, deixem o protector ser absorvido na pele uns minutos).
se tiverem um protector foto-estável (mineral), poderão estar protegidos para a maior parte do dia SE não suarem ou se molharem. se for um filtro químico, terão de reaplicar sempre 15 a 20 minutos antes de se exporem — se trabalham num sítio luminoso com janelas grandes, têm de reaplicar.
usar um produto anti-oxidante antes de aplicar o protector é um extra supimpa porque potencia a eficácia do protector.

se costumam maquilhar-se e confiar na base ou no creme hidratante como protecção do sol, pensem lá se se barram com meia colher de chá do produto e se o frasco diz que tem protecção UVA e UVB… normalmente nenhuma das duas se aplica.

na praia/piscina/para grelhar em geral, goes without saying, factor 50+++ e reaplicação pelo menos a cada 2 horas, seja qual for o filtro.

nunca devem esquecer que estes produtos são construídos para se agarrarem à pele. por isso, à noite, lavar a pele como deve ser é essencial.

se, como a mim, o verdete vos desespera, há sempre auto-bronzeadores.
e, mesmo com protecção minuciosa, a pele escurece sempre um bocadinho.

ok, então e sugestões?

tenho um punhado delas, com opções para retocar apesar da maquilhagem. mas tenham em conta que encontrar O Favorito pode ser frustrante e, se já se dão bem com o Nívea (aquele cheirinho a verão), mais vale usarem esse do que nenhum.

tanta tanta gente se dá bem com a linha Anthelios da La Roche Posay. o grande herói tem sido o Anthelios XL SPF 50+ Fluido Ultra Leve. está dentro de valores aceitáveis e disponível em quase todas as farmácias e para-farmácias (e às vezes mais barato online na Feelunique ou Look Fantastic). serve perfeitamente tanto para a vida rotineira como para ir à praia. é muito leve, não tem fragrância, é absorvido depressa e não deixa resíduo gorduroso. a gama Anthelios expandiu-se brutalmente nos últimos tempos, portanto há mais por onde experimentar para quem procure diferentes níveis de cremosidade e absorção.

Étude House Sunprise Mild Airy Finish SPF 50 PA+++ é daqueles de que mesmo os mais rabugentos com peles oleosas vão gostar. é um protector mineral muito leve que deixa um acabamento semi-mate na pele e é absorvido em segundos. tem um preço bem mimoso, também. a desvantagem é que pode deixar um ligeiro resíduo branco na pele (em mim é translúcido, mas pode incomodar quem seja mais escuro e/ou não use maquilhagem). os coreanos vão muito à frente nesta coisa do SPF (o culto da pele por lá é intenso e expô-la ao sol é quase crime), e têm muitas fórmulas maravilhosas. é de explorar tanto a gama Sunprise da Étude House, como a Biore — outra marca famosa além fronteiras. estas marcas só estão, para já, disponíveis online — via Amazon ou, mais barato mas mais moroso, sites como a YesStyle (quando disponível na secção “in stock”, senão ficam em lista de espera), mas este protector específico tem o selo de aprovação desta vossa amiga.

mais rico e fancy, em tamanho de viagem, têm o SuperGoop Everyday Sunscreen SPF 50 na Sephora. um protector químico altamente cotado em terras californianas.

a melhor fórmula (para peles mistas como a minha) e o mais caro é o UV+ Antipollution SPF 50 da Clarins. o estupor é mesmo caro que dói, mas tem a fórmula mais elegante de todas: desaparece na pele sem deixar qualquer rasto. é um protector misto, com filtros químicos e físicos, e diria que é mais indicado para ambiente urbano do que para férias ao sol.

para o corpo, confesso, não sou esquisita. tenho sempre no carro o roll-on da Nivea porque é tão fácil de aplicar sem largar o volante e não corre o risco de explodir ou babar com o calor.

e, porque ficaram até ao fim, a pequena jóia da coroa são as brumas de SPF para retocar durante o dia, mesmo por cima da maquilhagem (este não vale para a praia!).
já falei em ambos por cá, e até fiz um vídeo.
o meu preferido, porque tenho a pele mista, é o Anthelios Bruma Anti-Brilho SPF 50.
quem tem a pele mais seca é capaz de apreciar de sobremaneira o Eau de Soin Hydrabio SPF 30 da Bioderma.

geekar à séria

se isto não chegou para queimarem as pestanas e querem mais links geeks sobre este tema, recomendo a consulta deste post da Alkistis Klapsinou no blog It’s Elle Melle. é scrollar até ao fim e têm horas de leitura com artigos científicos.

 

este post foi longo, mas, acreditem, demorou-me mais tempo a escrever do que a vocês a ler.
se por algum motivo eu tiver dado alguma informação errada, por favor, em vez de me lincharem, avisem-me para eu poder fazer as alterações necessárias.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s