lilás e amarelo

a brincar com cores frescas, duma paleta que andava para ali esquecida à espera de dias luminosos.
este correu menos mal, por isso achei que não era péssima ideia partilhar.

todos os produtos de rosto são os usados no vídeo da semana passada.

produtos mencionados:

maquilhagem da Lush

finalmente, quando já ninguém quer saber, comprei produtos de maquilhagem da Lush para testar. a base sólida Slap Stick (N11), o iluminador/blush sólido Glow Stick (Pipit) e um batom refill (Cairo) com a respectiva embalagem em tubo .

são produtos à base de óleos e ceras, com fórmulas muito semelhantes entre si (com fragrância). a marca tem uma abordagem muito interessante aos materiais e embalagem, com um grande foco na reciclagem e sustentabilidade: as caixas são de cartão e os produtos vêm total ou parcialmente envoltos numa película de cera, para preservação e/ou para serem manuseados sem se desfazerem nas mãos.

depois de aberto, o batom tem de ser colocado num tubo da Lush (ou numa paleta tipo as da Vueset), nem dá para ir tirando e trocando de batons no mesmo tubo, porque não vem com embalagem extra onde guardar.

se querem ver como foi a aplicação, o resultado e a “usabilidade” dos produtos na minha pele mista, é ver o vídeo.

encontram os produtos na loja online da Lush, mas, pelo menos até antes da Nova Peste, não estavam disponíveis em loja para se experimentar/ver cores.

rotina de pele: os essenciais e os extras, a preços acessíveis

a querer começar uma rotina de pele, sem saber onde começar, com pouco dinheiro para gastar? compilei os passos e os produtos essenciais para uma rotina de pele, e acrescentei os extras mais comuns, com várias opções para terem uma escolha variada.
agora é só juntar os legos conforme as necessidades da pele – escolhendo aquelas coisas que apetece usar todos os dias, que uma boa rotina de pele faz-se com consistência e persistência.

saber tudo

protectores solares

seria mal educado da minha parte não falar de um certo vídeo que espalhou deliberadamente, sem qualquer base científica, comportamentos de risco que podem causar cancro, certo?

portanto uma mulher famosa que agora vende produtos de cosmética – no seu próprio site, em que impinge constantemente uma narrativa não baseada em evidências científicas, mas que assim destaca como uma prova de qualidade que promove a venda dos seus produtos – fez um vídeo – usando uma plataforma ainda maior de uma revista internacional que beneficia financeiramente do rendimentos gerados com links afiliados – em que aplica de forma errada, vá, ridícula, protector solar (assim ensinando/promovendo essa tipo de aplicação) porque, está implícito, os filtros solares são “tóxicos”, ao que parece à semelhança de todos os produtos que não são promovidos no site da senhora.

está tudo errado nisto, e ninguém é responsabilizado.

e se a senhora tivesse optado por fumar um maço de tabaco enquanto explicava que o oxigénio mata, como era? é que, duma forma genérica, sim, a exposição ao oxigénio é o que nos leva desta para outra… ? E nem me ponham a falar sobre água oxigenada… vocês sabem o que se encontra em tumores? oxigénio!*
Contexto é tudo… e tudo tirado de contexto pode ser qualquer coisa.

acima de tudo, ficou no ar a noção ERRADA, para centenas de milhares de espectadores crédulos, que de facto os protectores solares são “tóxicos” e se devem aplicar à tolinho, assim muito poucochinho e só de longe a longe.

estas estratégias de marketing para vender produtos segundo uma suposta (e falsa) garantia de que são mais saudáveis, mais seguros, “clean” é uma aldrabice de primeira apanha, e uma moda que se recusa a passar porque se alimenta da paranóia criada nas pessoas, que depois ajudam a que alastre.

vão querer ler tudo